Apil/RS marca presença no Minas Láctea 2019

Apil/RS marca presença no Minas Láctea 2019

A Apil/RS está presente na edição 2019 da Minas Láctea, realizada na cidade de Juiz de Fora (MG). Nesta quarta, 17 de julho, o grupo da Apil, formado pelo presidente Wlademir Dall’Bosco e representantes dos laticínios Mandaká, Kiformaggio, São Luís, Doceoli, Pomerano, Friolack, Stefanello, Cichelero, Sgorla e Valbrenta, participaram da palestra “O futuro do leite no Brasil”, ministrada pelo chefe-geral da Embrapa Gado Leite, Paulo do Carmo Martins. Após o grupo teve um bate papo com o pesquisador Glauco Carvalho que trocaram informações relacionadas ao mercado da cadeia produtiva do leite. Um agradecimento especial a William Fernando Bernardes, supervisor do setor de Implementação da Programação de Transferência de Tecnologia da Embrapa, por viabilizar a agenda....
Câmara Setorial do Leite avalia instruções normativas e seus impactos

Câmara Setorial do Leite avalia instruções normativas e seus impactos

A Apil/RS esteve presente na  reunião da Câmara Setorial do Leite, realizada no dia 9 de julho. Esta primeira reunião do ano foi dedicada a analisar os impactos e entraves que as Instruções Normativas 76 e 77 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento têm para os produtores de leite no Rio Grande do Sul. Os Auditores fiscais do MAPA, Cristine Milene Cé e Roberto Lucena, detalharam as exigências das duas INs, informando que  o  ministério está divulgando em seu site um guia para orientar na elaboração do plano, que será importante para a implantação gradativa de boas práticas agropecuárias na cadeia do leite. Foi consenso entre todas as entidades participantes que um dos principais desafios está na infraestrutura, como a situação das estradas e o abastecimento de energia elétrica às propriedades rurais. Como parte das estratégias, foi definido o agendamento de reuniões com a Aneel e as distribuidoras de energia elétrica no Estado, e com a Secretaria de Obras. Para a próxima reunião a Emater apresentará um levantamento dos municípios que sofrem com problemas na distribuição de energia elétrica a fim de traçar planos de ação. A próxima reunião deverá ocorrer após a...
Associados da Apil/RS conquistam 22 prêmios no Concurso Estadual de Queijos

Associados da Apil/RS conquistam 22 prêmios no Concurso Estadual de Queijos

Realizada na última sexta-feira, dia 5 de julho, em Carlos Barbosa (RS), a quinta edição do Concurso Estadual de Queijos, promovida pela Associação Gaúcha de Laticinistas (AGL), premiou os melhores produtos do ano em diversas categorias. Os associados da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) se destacaram no certame. Ao todo, foram analisados 47 queijos e doces de leite divididos em 13 categorias. O grande campeão do ano foi o queijo Masdam do Laticínio Nova Alemanha, de Ivoti (RS), que obteve a maior pontuação entre todos os produtos analisados pelos jurados. De 26 distinções entregues aos vencedores entre medalhas de ouro, prata e bronze, 22 foram para associados da Apil/RS. Além da Nova Alemanha, foram premiados queijos dos associados Coopar Pomerano, Friolack Indústria de Laticínios, Granja Cichelero, Laticínios Frizzo e Laticínios Kiformaggio. Para o presidente da Apil/RS, Wlademir Dall’Bosco, é importante para todas as agroindústrias apresentarem amostras de seus produtos para serem avaliados, pois demonstra o trabalho, a partir da avaliação, da qualidade do produto. “Os nossos produtos têm qualidade excelente, temos matéria prima de qualidade produzida pelos produtores, todo um trabalho de legislação e fiscalização por parte dos órgãos públicos, um grau de responsabilidade muito grande por parte do setor agroindustrial, a qualificação da mão de obra gaúcha, dos nossos profissionais”, afirma. Dall’Bosco destaca também o avanço da cadeia láctea em entregar ao consumidor um produto de alto padrão. “Hoje transformamos 2,5 milhões de litros de leite por dia em queijos. Além disso, 50% do queijo gaúcho produzido é vendido fora do Estado, temos uma produção acima do que é consumido no...
Associado da Apil/RS recebe homenagem na Assembleia Legislativa

Associado da Apil/RS recebe homenagem na Assembleia Legislativa

O deputado Zé Nunes (PT) homenageou, no Grande Expediente da Assembleia Legislativa desta terça-feira (18), a Cooperativa Mista dos Pequenos Agricultores da Região Sul Ltda, localizada no município de São Lourenço do Sul e associada da Apil/RS. Antes da homenagem realizada no Plenário 20 de Setembro, a direção da Coopar foi agraciada com a Medalha da 55ª Legislatura, conferida pelo parlamentar, numa cerimônia que reuniu, no Salão Júlio de Castilhos, lideranças políticas e comunitárias da Metade Sul do estado. Fundada em 1992 por um grupo de 41 agricultores familiares, a organização representa, conforme o petista, uma alternativa de produção e geração de renda. “Foi uma construção desafiadora, trabalhosa, mas gratificante e com ótimos resultados”, frisou, lembrando que a Coopar é a soma de um trabalho coletivo, no qual atuaram técnicos do Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, vinculado à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), que incentivaram a adoção de modelos de produção sustentável. A entidade nasceu sem capital. Um projeto enviado à Alemanha para captar recursos garantiu US$ 17 mil para a aquisição de uma área de terras com um prédio comercial desativado, onde está instalada a sede da cooperativa. Hoje, a Coopar está presente em 14 municípios, conta com 4.750 famílias associadas e distribuiu suas atividades entre duas indústrias, que empregam 250 pessoas. As políticas públicas instituídas a partir do ano 2000 contribuíram, conforme o petista, de forma decisiva para o desenvolvimento da agricultura familiar e o crescimento da cooperativa, que adotou uma gestão eficiente com controle social exercido por sua base. Além de São Lourenço do Sul ter sido pioneiro na aquisição de alimentos...

Seminário e concurso de queijos ocorrem em Carlos Barbosa

A Associação Gaúcha de Laticinistas (AGL) organiza em julho dois eventos que serão realizados em Carlos Barbosa (RS). No dia 4 de julho ocorre o 21º Seminário Internacional de Queijos e Leite, a partir das 8h30min, no auditório da Cooperativa Santa Clara. Serão debatidos temas como bioproteção de produtos lácteos, importância da drenagem e do molde de queijos na fabricação, controle de Lysteria Monocytogenes em lácteos e fatores de competitividade na produção de leite e como a gestão de CCS pelo seu melhor indicador gerencial, além das instruções normativas 76 e 77. Informações e inscrições podem ser obtivas pelo telefone (51) 99846.0593 ou pelo e-mail agl.poa.rs@gmail.com. Já no dia 5 de julho é o dia do 5º Concurso Estadual de Queijos “José Luís Ipar”, que acontece no Memorial da Santa Clara. Os queijos que obtiverem pontuação entre 95 e 100 pontos recebem Medalha de Ouro. Medalha de Prata para queijos com pontuação entre 90 e 94, e Medalha de Bronze para queijos com 84 a 89 pontos. As inscrições podem ser feitas pela fan page do Facebook da AGL, pelo endereço...
Investimento em análise sensorial agrega valor nos laticínios

Investimento em análise sensorial agrega valor nos laticínios

A importância da análise sensorial para a indústria e o consumidor foi detalhada no Curso de Juízes de Queijo na manhã desta sexta-feira, 7 de junho, pela diretora Científica da Associação Gaúcha dos Laticinistas (AGL), Neila Richards. A iniciativa foi realizada com o patrocínio da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), no Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos (Icta), no Campus do Vale da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), em Porto Alegre (RS). “A indústria tem que atender os desejos do consumidor. Para que isso aconteça o empresário precisa saber o que este quer. Por outro lado, para o consumidor o mais importante é que os produtos sejam gostosos, palatáveis, aromáticos e que os façam lembrar, por exemplo, de um fato da sua infância ou de um momento bem prazeroso”, explicou Neila. “Quando o empresário entende essa demanda ele consegue fazer um produto que já se vende sozinho. Ele agrega valor”, complementou. Outra abordagem detalhada pela diretora Científica tratou sobre as influências nos hábitos sensoriais. De acordo com Neila, eles podem ser culturais, socioeconômicos e, inclusive, religiosos. “A China tem o hábito de comer carne de cachorro. Na Inglaterra não é proibido o consumo de carne equina. No Brasil, a nossa legislação não permite a alimentação com esses animais pelo fator psicológico pois entendemos o cão e o cavalo com outra conotação emocional e que não aplicamos para os bovinos, por exemplo”. Para os candidatos em ingressar na profissão a diretora Científica adianta alguns cuidados. “Os interessados precisam estar com a saúde em dia, levar em consideração os conceitos...
Análise sensorial auxilia na produção de queijos de qualidade

Análise sensorial auxilia na produção de queijos de qualidade

Ocorre nesta semana a quinta edição do Curso de Juízes de Queijos, promovida pela Associação Gaúcha dos Laticinistas (AGL) com o patrocínio da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS). O evento tem por objetivo selecionar provadores com habilidade sensorial para caracterizar vários tipos de queijos. O curso será realizado nos dias 6 e 7 de junho no Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos (Icta), no Campus do Vale da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), em Porto Alegre (RS). Conforme a diretora científica da AGL, Neila Richards, que ministrará o curso, a análise sensorial é uma ferramenta básica para o controle de alimentos em muitas indústrias. “É uma ciência utilizada como parte da pesquisa e desenvolvimento de produtos. A adoção dos conceitos e aplicação dos testes sensoriais promovem ganhos de marketing e a aceitação dos produtos no mercado. É a identificação e interpretação das propriedades que chamamos de atributos que são percebidas por meio dos cinco sentidos”, destaca. Para a especialista, o mais importante é que os juízes conheçam as características dos queijos que devem analisar como aspecto externo, aspecto da massa, coloração, odor, entre outros. “Este julgamento é extremamente importante para conduzir importantes mudanças posteriores no produto. E quem ganha com isso são os consumidores, que irão consumir produtos lácteos de empresas preocupadas com a melhoria contínua da qualidade dos produtos produzidos”, salienta. O curso de Juízes de Queijos terá carga horária total de 12 horas. Informações e inscrições podem ser obtidas pelo e-mail...
Normativa do leite ameaça criar problema social e exclusão de produtores

Normativa do leite ameaça criar problema social e exclusão de produtores

As normas relativas à produção e industrialização do setor lácteo, promovida pelas Instruções Normativas (IN’s) 76 e 77 do Ministério da Agricultura, vem preocupando representantes da cadeia produtiva do leite. As novas regras entram em vigor a partir de 30 de maio e o produtor que não se adaptar poderá sair do mercado em um curto espaço de tempo. Para o presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), Wlademir Dall’Bosco, o avanço da legislação para as indústrias é positivo pensando na qualidade do leite que é importante, mas o questionamento é que não há estrutura dada pelos entes públicos para iniciar a aplicação das novas regras. “O que estamos vendo é que a responsabilidade será transferida para a indústria de leite. Hoje nós temos 50% dos produtores que ainda não estão conseguindo produzir o leite dentro deste padrão”, destaca. Dall’Bosco avalia que até o início da vigência das IN’s mais produtores conseguirão se adequar, mas em torno de 25% a 30% deles não terão tempo hábil para realizar investimento, especialmente os pequenos. “Será um processo de seleção, onde vai sair o pequeno produtor que não tem muita estrutura. Vamos ter um problema social, não há dúvidas que este produtor será excluído. Talvez tenhamos uma preocupação com a quantidade de leite nos primeiros anos e depois ocorrerá uma adequação ao mercado”, observa. O presidente da Apil/RS defende que o debate precisa ser ampliado e que os governos necessitam dar contrapartidas para que haja mudanças com as normativas, inclusive de infraestrutura e logística, já que muitas vezes o leite que sai da propriedade e...
Série de encontros esclarece dúvidas sobre as IN’s 76 e 77

Série de encontros esclarece dúvidas sobre as IN’s 76 e 77

O presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), Wlademir Dall’Bosco, participou na última sexta-feira, 3 de maio, na Superintendência Federal da Agricultura do Rio Grande do Sul (SFA/RS), de reunião sobre as Instruções Normativas 76 e 77, que determinam novas regras para produção e industrialização do leite. O encontro foi o primeiro de três organizados para debater as regras que entram em vigor no próximo dia 30 de maio. Também estiveram presentes representantes dos associados Sans Souci, Steffenon, Pomerano, Frizzo e Benolle. O evento reuniu autoridades e representantes das entidades envolvidas no setor lácteo do Rio Grande do Sul e contou com palestras de fiscais do Ministério da Agricultura. A médica veterinária Milene Cé, representante da pasta, reforçou os novos parâmetros de qualidade do leite, especialmente em relação à Contagem Bacteriana (CPP) e a Contagem de Células Somáticas (CCS). A especialista informou que as IN’s vão manter as contagens bacterianas máximas de 300 mil unidades por mililitro e 500 mil células somáticas por mililitro para o leite cru refrigerado. Entretanto, a CPP para o leite cru de silo na indústria ficará em 900 mil ufc/ml antes do processamento. Milene observou que a exclusão do produtor no processo de fornecimento do leite somente ocorrerá após três meses consecutivos onde a média geométrica final extrapole o padrão. Como a amostragem se dará trimestralmente, serão conhecidos em outubro deste ano os primeiros resultados de propriedades que não conseguiram atingir. Já o médico veterinário do Ministério da Agricultura, Bruno Leite, palestrou sobre o Plano de Qualificação de Fornecedores, que está no artigo sexto da IN 77,...

Produtores se reúnem em audiência pública para melhoria no fornecimento de energia elétrica no Estado

Com o objetivo de discutir os problemas causados pelas constantes suspensões no sistema de fornecimento de energia elétrica no meio rural, ocorreu na manhã do dia 11 de abril uma audiência pública na Assembleia Legislativa. Representando a Apil/RS, Wlademir Dall”Bosco, juntamente com o associado, Delcio Giacomini dos Laticínios Friolack, marcaram presença no Teatro Dante Barone. A discussão do tema foi proposta pelos deputados Edson Brum (MDB), Pepe Vargas (PT), Luiz Fernando Mainardi (PT) e Elton Weber (PSB). As comissões de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, presidida pelo deputado Adolfo Brito (PP); de Segurança e Serviços Públicos, presidida pelo deputado Jeferson Fernandes (PT); de Defesa do Consumidor e Participação Legislativa Popular, presidida pelo deputado Elton Weber (PSB); e de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle, presidida pelo deputado Elizandro Sabino (PTB), estiveram compondo a mesa durante a audiência. Os debates versaram sobre as sucessivas suspensões no fornecimento de energia, na demora no retorno desta energia, na precariedade do serviço prestado, bem como a falta de manutenção de toda a rede elétrica, das empresas concessionárias de distribuição de energia elétrica, CEEE e RGE/SUL. Houve citações de maiores cobranças às entidades representantes de energia bem como melhor fiscalização por parte das agências reguladoras, como a Agergs e Aneel. Atualmente, cerca de 60% da energia no meio rural é monofásica e a falta constante de energia aumenta consideravelmente a perda da produção. Levantou-se a discussão sobre a necessidade de um plebiscito para que a população pudesse decidir sobre a privatização ou não do patrimônio público no setor de energia. Também participaram da audiência: Fran Somensi (PRB), Sofia Cavedon (PT), Silvana Covatti (PP) e Juliana Brizola...