Apil/RS avalia que setor lácteo gaúcho se preparou para mudanças exigidas em 2019

Apil/RS avalia que setor lácteo gaúcho se preparou para mudanças exigidas em 2019

A avaliação da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) é de que o ano de 2019 foi de crescimento no setor lácteo gaúcho, mesmo que pequeno, mas importante para a economia do Rio Grande do Sul, para o setor agroindustrial, assim como para a sociedade gaúcha. O presidente da entidade, Wlademir Dall’Bosco lembra também que foi um ano de muitas mudanças, como, por exemplo, na legislação, com a entrada em vigor das Instruções Normativas (INs) 76 e 77 que têm como foco, principalmente, os critérios de qualidade do leite. “E a cadeia produtiva gaúcha tem desempenhado de forma brilhante a busca por excelência na produção. O produtor, o setor de transporte e a indústria de transformação têm trabalhado com muita dedicação. Estão sendo feitos investimentos em estrutura, máquinas, equipamentos, além do lançamento de novos produtos”, observa. O presidente da Apil/RS destaca que o setor lácteo gaúcho teve um ano de muito trabalho, mesmo com a economia brasileira crescendo, basicamente, 0,5%, mas com a indústria de transformação de leite no Rio Grande do Sul cumprindo com o seu papel e o produtor de leite também fazendo o dever de casa. “E isso é fundamental para o desenvolvimento desse segmento tão importante para o nosso Estado”, pontua. Dall’Bosco reforça também que a busca por conhecimento foi outro fator que marcou o ano de 2019 dentro da Apil/RS. Lembra do roteiro técnico feito pela Europa, em outubro, quando um grupo de laticinistas saiu do Brasil para obter mais informações sobre o setor lácteo nos países que compõem a Comunidade Econômica Européia e traçar comparativos com o...
Câmara Setorial do Leite aborda legislação e radiografia do setor

Câmara Setorial do Leite aborda legislação e radiografia do setor

A Câmara Setorial do Leite do Rio Grande do Sul realizou reunião nesta quinta-feira, dia 12 de dezembro, na sede da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). A Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) esteve representada pelo 1º vice-presidente, Délcio Giacomini, e por Magali Ferrari. No primeiro momento foram escolhidos os novos coordenadores da Câmara, ficando Jeferson Smaniotto, presidente da Cooperativa Piá, como coordenador, e Darcy Bittencourt, presidente da A Associação de Criadores de Gado Jersey do Rio Grande do Sul (ACGJRS) como adjunto. Entre os assuntos apresentados, estiveram a Radiografia da Cadeia do Leite realizada pela Emater/RS, apresentada pelo gerente técnico adjunto Jaime Ries. A redução no número de produtores entre 2015 e 2019 foi de 33%, passando de 84,2 mil para 50,6 mil. Logo após foi a vez de Carlos Machado, representante do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Rio Grande do Sul (Simers), mostrar as Instruções Normativas (IN’s) 48 e 53 para ordenhadeiras, componentes e tanques de refrigeração, que tem por objetivo regrar as boas práticas na ordenha e padronização na fabricação dos equipamentos. Logo após, Milene Cé, do Ministério da Agricultura, abordou as IN’s 58 e 59 do Ministério da Agricultura, que trata de alterações das IN’s 76 e 77, especialmente no que diz respeito à interrupção da coleta de leite dos produtores que não atingirem as médias preconizadas no padrão exigido pelo pela lei, apresentando estas modificações de forma a flexibilizar as regras. Também foi mostrado o trabalho de padrões de identidade e qualidade do leite de Búfala produzido no Rio Grande do...
Custos e produtividade na produção de queijos norteiam encontro

Custos e produtividade na produção de queijos norteiam encontro

Reunindo associados e parceiros da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS), ocorreu neste sábado, 23 de novembro, o encontro “O Queijo em Debate”. O evento foi realizado na sede do Laticínio Boavistense, em Nova Boa Vista (RS), e contou com a presença de especialistas na área de produção de lácteos que trouxeram informações técnicas para os presentes. O engenheiro químico ‌Jaime‌ ‌Dietrich,‌ ‌diretor‌ da Divisão de Revenda ‌da‌ ‌Globalfood,‌ ‌abriu o encontro falando sobre os “Conceitos‌ ‌Básicos‌ ‌na‌ ‌Produção‌ ‌de‌ ‌Queijos”.‌ ‌O especialista, que também é delegado brasileiro no Comitê Internacional de Qualidade do Leite, abordou inicialmente as transformações do universo micro para o mundo macro, como átomos, enzimas e bactérias, que está no cotidiano e podem trazer impactos positivos e negativos na produção. “As, bactérias, por exemplo, podem estragar os alimentos. Mas as mesmas bactérias também produzem o alimento que a gente come. Depende como a gente as utiliza”, destacou. Dentro deste conhecimento, Dietrich também falou sobre a importância de estar atento aos controles de qualidade e rendimentos na produção de queijos. O representante da Globalfood ressaltou também sobre a atuação dos microorganismos dentro da produção, como mofo e leveduras, que desenvolvem não apenas a aparência, mas também o sabor, enzimas e os cuidados com os vírus dentro de queijarias. “Antigamente as queijarias eram pequenas e faziam vários tipos de queijos, havia uma troca de variedades e os vírus não conseguiam atacar aquelas bactérias específicas para aquele tipo específico. Hoje em dia com as especializações em determinadas variedades, com fábricas monoprodutoras, é necessário cuidado redobrado”, observou. O especialista lembrou que, de uma...
Encontro técnico discute produção de queijos

Encontro técnico discute produção de queijos

A Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) promove no próximo sábado, dia 23 de novembro, o encontro “O Queijo em Debate”. O evento, que inicia às 9h no Lacticínio Boavistense, em Boa Vista do Sul (RS), vai contar com a presença do holandês Kees Muijlwijk, gerente Global de Aplicação em Laticínios da DSM, que vai falar no evento aos associados da entidade. O especialista vai abordar o tema “Fermentação e Filagem: Os Impactos no Rendimento e Funcionalidade da Mussarela”. Muijlwijk falará juntamente com o gerente de Suporte Técnico da Globalfood, Tiago Silva, que também apresentará o assunto “Controle de Monitoramento Fágico”. Já Jaime Dietrich, diretor de Negócios da Globalfood, será o responsável pelo tema “Conceitos Básicos na Produção de Queijos”. Ao final, o evento terá espaço para um debate aberto sobre como melhorar o rendimento do queijo. A ação será exclusivamente para associados da Apil/RS. O encontro “O Queijo em Debate” conta com a parceria da DSM e...
Apil/RS finaliza roteiro técnico na Europa trazendo informações e conhecimento

Apil/RS finaliza roteiro técnico na Europa trazendo informações e conhecimento

Depois de quase duas semanas e muitos quilômetros rodados, o grupo de laticinistas da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) finalizou roteiro técnico pela Europa onde visitou indústrias, centros de pesquisas e fazendas, assim como a feira de Anuga, uma das mais importantes do setor alimentício no mundo. A viagem teve por objetivo conhecer o setor lácteo europeu, envolvendo a produção de leite, a industrialização, a transformação, a inovação e a tendência de produtos em nível de mercado internacional. A delegação passou por países como Holanda, Alemanha e França. Segundo o presidente da Apil/RS, Wlademir Dall’Bosco, a viagem foi muito positiva no sentido de conhecer a realidade da União Europeia na produção de leite em termos de tecnologia. “A Holanda é um país extremamente avançado nesse sentido, com tecnologia de produção, de industrialização, de processamento de produtos lácteos. Da mesma forma a França e a Alemanha. Nos três países percebemos que existe uma cultura e uma tradição muito fortes, muitos anos de trabalho, dedicação e esforços para melhorar a cadeia como um todo”, salientou. Conforme Dall’Bosco, quando se compara o Brasil com os países europeus, existe uma distância imensa na parte de conhecimento e cultural, mas, ao mesmo tempo, se percebe uma evolução rápida dos brasileiros. “Nós temos hoje produtores no Brasil com produtividade quase do nível de produtores europeus, evidentemente que é uma parte dos produtores”, destacou O presidente da Apil/RS relatou que o produtor europeu vem recebendo um valor de cerca de 40 centavos de Euro, o que é considerado pelos mesmos como um valor baixo e existem reclamações de preço....

Apil/RS realiza roteiro técnico na Europa

Um grupo de laticinistas da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) realiza entre os dias 28 de setembro e 10 de outubro um roteiro técnico pela Europa para visitar indústrias, centros de pesquisas e fazendas, assim como a feira de Anuga, uma das mais importantes do setor alimentício no mundo. A viagem tem por objetivo conhecer o setor lácteo europeu, envolvendo a produção de leite, a industrialização, a transformação, a inovação e a tendência de produtos em nível de mercado internacional. De acordo com o presidente da entidade, Wlademir Dall’Bosco, as visitas a produtores de leite servirão para obter informações sobre genética, produtividade e também custos de produção. Nas indústrias, o dirigente ressalta que os associados da Apil/RS poderão conhecer a diversidade de produtos, principalmente na área de queijos. Afirma ainda que a viagem visa saber mais sobre o mercado europeu. “Em Amsterdam, na Holanda, vamos fazer uma visita ao Instituto Nizo, o mais completo instituto de pesquisas em leite e derivados. Também vamos conhecer fazendas leiteiras com capacidade de produção entre 5 mil a 20 mil litros por dia”, informa, destacando ainda passeios por fábricas de queijos e pelo museu do queijo Gouda. Na Alemanha, na cidade de Colônia, o grupo irá visitar a feira de Anuga que atrai expositores e visitantes de todos os países. Dall’Bosco destaca que o objetivo na feira é ter uma ideia de como se comporta o mercado europeu nas mais diferentes áreas e, principalmente, inteirar-se sobre o setor lácteo, como o lançamento de produtos. A outra parada será na França para conhecer fazendas de produção leiteira...
Apil/RS quebra recorde de maior pizza do Brasil durante a Expointer

Apil/RS quebra recorde de maior pizza do Brasil durante a Expointer

A maior pizza do Brasil foi assada na Expointer em evento organizado pela Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) nesta quinta-feira, 29 de agosto. Ao todo, foram cerca de 20 horas de preparo entre montagem de estruturas, manipulação de ingredientes, até o momento principal de entrega de mais de 1,2 mil fatias a frequentadores do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Centenas de pessoas acompanharam todo o processo, desde a noite anterior até a abertura do parque, no início da manhã. Durante a noite, a massa ficou na fase de preparação do glúten, como dizem os pizzaiolos, para posterior descanso durante a madrugada. Nesta quinta-feira, às 7h, a equipe comandada pelo pizzaiolo Peterson Secco, abriu a massa e a pré-assou. “A partir deste momento cessou a fermentação e começou o processo de cozimento”, explicou Secco. Ele conta que como não havia um forno industrial adequado para a experiência, a equipe improvisou um forno utilizando 12 tonéis que foram posicionados abaixo de um chapa de aço, abastecidos com lenha. Na pizza assada na Apil/RS foram usados queijos mussarela, gouda, provolone, parmesão e requeijão. Além disso, o pizzaiolo acrescentou rodelas de tomate, manjericão e orégano. Peterson se propôs a um desafio especial no evento da entidade: quebrar o seu próprio recorde. A pizza montada por ele anteriormente tinha 15 centímetros a menos da que foi produzida na Expointer. A iguaria foi produzida com 80 quilos de queijo, 20 litros de molho de tomate e 3,46 metros de diâmetro, totalizando 167 quilos de peso. O presidente da Apil/RS, Wlademir Dall’Bosco, ressaltou que a ideia foi...
Pequenos laticínios debatem perspectivas para novos mercados

Pequenos laticínios debatem perspectivas para novos mercados

A Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) promoveu nesta quarta-feira, 28 de agosto, um debate para discutir alternativas de novos mercados para o setor, sobretudo o chinês. Para isso, esteve presente o presidente do Instituto Brasil-China, Sérgio Moras. Na abertura, o presidente da Apil/RS, Wlademir Dall’Bosco, ressaltou que o Rio Grande do Sul é o segundo maior produtor de leite do país. No entanto, o dirigente lembrou que a carga tributária do Brasil precisa baixar para viabilizar os custos de produção. “O governo comete um equívoco ao tributar a produção e não o consumo”, enfatizou. Já o presidente do Instituto Brasil-China, Sérgio Moraes, lembrou que, nos últimos 70 anos, a China desenvolveu-se com muito trabalho combinado com forte ação governamental. Atualmente, 70% da população chinesa pertence às classes média e alta. Só na classe média, são 650 milhões de pessoas com renda per capita de US$ 50 mil por ano. “São praticamente quatro ‘Brasis’ de alto consumo concentrado em 22 cidades”, destacou. Neste sentido, Moraes ressaltou que há mercado na China, independente do porte do negócio. Devido ao mercado asiático gigantesco. O presidente do Instituto Brasil-China aconselhou os laticínios a colocar produtos inicialmente com valores mais elevados, direcionados às classes mais altas, para terem tempo de se estruturar visando no futuro atender com eficiência classes mais baixas. Após o debate, a Apil/RS promoveu uma degustação de queijos de laticínios vinculados à Associação. A variedade envolveu os queijos Parmesão, Provolone, Mussarela e Colonial. Entre as marcas apresentadas estiveram a Kiformaggio, Duplex, Tche Milk, Sarandi, Friolack, Paladar da Serra, Mandaká, Frizzo e...
Apil/RS indica que momento do mercado lácteo é de ajustes

Apil/RS indica que momento do mercado lácteo é de ajustes

O setor lácteo está em um momento de ajuste e de expansão, com adaptações para o cumprimento de normativas em busca de qualidade e avanço. Foi assim que presidente da Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) iniciou sua conversa com jornalistas, em coletiva realizada na manhã desta quarta-feira, 28 de agosto na casa da entidade no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), durante a Expointer. Conforme o presidente da Apil/RS, Wlademir Dall`Bosco, O Brasil se projeta, num prazo de de 8 a 10 anos, que e torne um grande exportados de produtos lácteos. Segundo o dirigente, além de genética avançada e tecnologia, na atividade primária, principalmente do Rio Grande do Sul, o leite só perde para a cultura da soja. “O PIB do leite só perde para carne bovina suína ou frango, com impacto enorme na economia gaúcha”, disse Dall´Bosco. O presidente da Apil/RS também destacou que hoje as 40 empresas associadas processam um milhão e 800 mil litros de leite por dia, além de 80% do queijo produzido no Estado. Além disso, 50% do leite e queijo gaúchos são comercializados fora do estado “O crescimento da produção foi de 4% este ano”, destacou Dall’Bosco, o que pode levar a região Sul como a de maior produção de leite do Brasil. “Isto nos leva ao encontro do mercado internacional, devido ao excedente de produção”, concluiu. Com relação a uma abertura para o mercado chinês, o presidente destacou que não falta muito para que isto se concretize. Segundo ele, algumas plantas já estão habilitadas para a exportação não só no Estado como...
Associados da Apil/RS apostam em promoção do queijo provolone na Expoagas

Associados da Apil/RS apostam em promoção do queijo provolone na Expoagas

As indústrias de laticínios Friolack, de Chapada (RS), e Mandaká Alimentos, de Nova Boa Vista (RS), participam estrategicamente da Expoagas 2019 – 38ª Convenção Gaúcha de Supermercados. No evento multissetorial, que se encerra nessa quinta-feira, 22 de agosto, no Centro de Eventos da Fiergs, em Porto Alegre (RS), as empresas apresentam novidades no seu mix de produtos. Queijo provolone é a principal aposta para oportunidades comerciais. Na feira promovida pela Associação Gaúcha de Supermercado (Agas), o presidente da Apil/RS e diretor da Mandaká Alimentos, Wlademir Dall’Bosco, explica que o evento é de grande importância para as empresas do setor de laticínios por propiciar contatos com lojistas, atacadistas, varejistas e grandes redes de supermercado. “Estamos com uma linha de provolone, com qualidade fantástica, novas apresentações, embalagens e tamanhos diferenciados”, conta, entusiasmado, após receber a visita do campeão da Copa do Mundo de 1994 e ex-capitão da Seleção Brasileira de Futebol, Dunga, para degustação de alguns dos seus produtos. A Mandaká Alimentos possui 32 itens no seu portfólio. “Estamos em busca de mercados fora do Rio Grande do Sul, como São Paulo, Rio de Janeiro e o Norte e Nordeste do país”, complementa Dall’Bosco. Segundo o diretor comercial da Friolack, Rodrigo Giacomini, a empresa segue igualmente nessa direção geográfica e estratégica. A indústria de laticínios, que também aposta em produtos com queijo provolone, quer ampliar a sua participação no mercado nacional. Atualmente, possui contratos, por exemplo, na Bahia, no Ceará e em Pernambuco, entre outros. “Todos os anos temos produtos novos para a Expoagas. Para essa edição nosso desejo era algo mais elaborado e refinado. É o sétimo ano que participamos....