NOTA À IMPRENSA

A Associação das Pequenas Indústrias de Laticínios do Rio Grande do Sul (Apil/RS) vem manifestar sua total colaboração às investigações da 11ª etapa da Operação Leite Compen$ado e da 4ª Operação Queijo Compen$ado desencadeadas pelo Ministério Público no Estado do Rio Grande do Sul, nesta terça-feira, dia 5 de julho. Além de se colocar à disposição para quaisquer esclarecimentos, a entidade também defende o direito à ampla defesa das empresas de laticínios envolvidas. Cabe ressaltar que Apil/RS tem total preocupação com questões de inspeção e inocuidade dos produtos dos seus associados, inclusive, oferecendo orientação e assessoria técnica. Todo o associado da Apil/RS é obrigado a estar em dia com as obrigações de inspeção. A Apil/RS destaca ainda a importância da representatividade das pequenas e médias empresas de lácteos no mercado gaúcho, que dobrou nos últimos cinco anos, segundo dados da entidade. Atualmente, os 56 associados da Apil/RS produzem 2,3 milhões de litros de leite por dia, o que representa 18% do total da produção gaúcha. Já em relação ao queijo, este número chega a 65% de tudo o que é produzido no Estado. São cerca de 15 mil propriedades em 280 municípios do Rio Grande do Sul envolvidas nesta cadeia, que gera 1,6 mil empregos diretos.   WLADEMIR PEDRO DALL’BOSCO Presidente da...

Comissão da Agricultura, Pecuária e Cooperativismo aborda fornecimento de energia no campo

O Instituto Gaúcho do Leite (IGL), recebeu na última quinta-feira (16), documento com os encaminhamentos da Subcomissão de Energia Elétrica do Meio Rural, que integra a Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. O relatório também foi entregue ao Ministério Público Estadual, Agergs, AES Sul, Aneel, CEEE e RGE. O documento será utilizado por órgãos responsáveis, como Ministério Público e Agergs, para encaminhar melhorias na infraestrutura energética que abastece o campo. Do ponto de vista do leite, o levantamento socioeconômico produzido pelo IGL, em parceria com a Emater, aponta que 32% das propriedades são deficitárias de acesso à energia elétrica, o que impossibilita muitos produtores de usufruir do acesso à tecnologia no campo com intuito de qualificar e aprimorar suas produções. Inclusive os encaminhamentos serão um adendo para que o IGL aborde durante seminário técnico na próxima terça-feira (21), que tem, dentre seus temas, a energia elétrica no campo. O evento, coordenado pelo Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP), contará com um grupo de 50 a 60 especialistas do setor lácteo gaúcho, onde serão analisados o relatório socioeconômico produzido pelo IGL em parceria com a Emater. Durante a sessão da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, estiveram presentes os deputados Zé Nunes, Zilá Breitenbach, Edson Brum e o presidente da comissão, deputado Adolfo Brito. Para o deputado Edson Brum, o relatório é um reflexo de como está a situação atual do fornecimento de energia no meio do campo. “Esse documento está muito completo e traz revindicações dos produtores gaúchos no que se refere...

Cadeia leiteira do RS projeta plano para os próximos 6 anos

Encontro teve a participação de diversas entidades do setor lácteo do RS   Quarenta e quatro especialistas do segmento leiteiro gaúcho, representando todos os elos da cadeia, participaram da segunda reunião do projeto que criará, ainda em 2016, o planejamento estratégico da cadeia produtiva do leite gaúcho, promovido pelo Instituto Gaúcho do Leite (IGL). A iniciativa, que ocorreu nesta terça-feira (21), em Porto Alegre, conta com a coordenação técnica do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP). Entidades com ampla representatividade como Famurs, Fetag, Apil, Unicafes; instituições como FEE, Senai e Emater; as universidades UPF e Univates,  além de associações das raças Jersey e Holandês e cooperativas, ajudaram a construir um diagnóstico setorial inédito no Rio Grande do Sul e projetar soluções de longo prazo, para os próximos 6 anos. Na reunião foi proposto aos participantes, que estavam divididos em cinco mesas, que trocassem de lugar com seus colegas para debater a cadeia leiteira sob todos os pontos de vista, analisando as fortalezas, fraquezas, oportunidades e ameaças do segmento.  Para o presidente do IGL, Gilberto Antonio Piccinini, a reunião superou as expectativas, tanto em presença de público quanto em qualificação dos envolvidos. “A variedade de pessoas que estavam presentes permitiu uma análise completa do segmento, visto por diferentes perspectivas”, comentou. Cada mesa contava com um representante e mediador de um elo diferente da cadeia: produtor, indústria, fornecedor e consumidor. A esse mediador cabia a função de comunicar aos demais os gargalos de seu elo, que contribuíram com sugestões, ideias e problemas. “O segmento trabalhava em ilhas, sem uma visão conjunta. A metodologia do PGQP nos proporcionou uma construção participativa...

Cadeia leiteira do RS projeta plano para os próximos 6 anos

Encontro teve a participação de diversas entidades do setor lácteo do RS Quarenta e um especialistas do segmento leiteiro gaúcho, representando todos os elos da cadeia, participaram da segunda reunião do projeto que criará, ainda em 2016, o planejamento estratégico da cadeia produtiva do leite gaúcho, promovido pelo Instituto Gaúcho do Leite (IGL). A iniciativa, que ocorreu nesta terça-feira (21), em Porto Alegre, conta com a coordenação técnica do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP). Entidades com ampla representatividade como Famurs, Fetag, Apil, Unicafes; instituições como FEE, Senai e Emater; as universidades UPF e Univates,  além de associações das raças Jersey e Holandês e cooperativas, ajudaram a construir um diagnóstico setorial inédito no Rio Grande do Sul e projetar soluções de longo prazo, para os próximos 6 anos. Na reunião foi proposto aos participantes, que estavam divididos em cinco mesas, que trocassem de lugar com seus colegas para debater a cadeia leiteira sob todos os pontos de vista, analisando as fortalezas, fraquezas, oportunidades e ameaças do segmento.  Para o presidente do IGL, Gilberto Antonio Piccinini, a reunião superou as expectativas, tanto em presença de público quanto em qualificação dos envolvidos. “A variedade de pessoas que estavam presentes permitiu uma análise completa do segmento, visto por diferentes perspectivas”, comentou. Cada mesa contava com um representante e mediador de um elo diferente da cadeia: produtor, indústria, fornecedor e consumidor. A esse mediador cabia a função de comunicar aos demais os gargalos de seu elo, que contribuíram com sugestões, ideias e problemas. “O segmento trabalhava em ilhas, sem uma visão conjunta. A metodologia do PGQP nos proporcionou uma construção participativa de...

Institutos setoriais fazem aproximação e buscam fortalecimento na AL

Os institutos que representam as cadeias produtivas da uva e vinho, leite e derivados e erva-mate estão em processo de aproximação para fortalecerem as suas posições no Estado. Nesta quarta-feira (8), representantes do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Instituto Gaúcho do Leite (IGL) e Instituto Brasileiro da Erva-Mate (Ibramate) estiveram com a presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, Silvana Covatti, para mostrar os benefícios gerados por esses modelos de desenvolvimento no Estado. O objetivo dos institutos, que são os executores de parte das políticas de fortalecimento dessas cadeias produtivas e têm em comum um fundo que os mantêm, é estreitar relações e identificar pontos de convergência. “Queremos mostrar à comunidade gaúcha que essa política criada no Rio Grande do Sul permite arrecadar recursos para aplicá-los no desenvolvimento das cadeias produtivas”, explica o diretor de Relações Institucionais do Ibravin, Carlos Raimundo Paviani. A primeira ação conjunta dos fundos deve ocorrer em agosto, na Assembleia Legislativa. Segundo o presidente do IGL, Gilberto Piccinini, a intenção é, em local apropriado na AL, montar, durante uma semana, estandes com os produtos vitivinícolas, lácteos e à base de erva-mate para obter visibilidade. Também a intenção é esclarecer à população sobre o que fazem esses institutos e os benefícios que vêm trazendo à sociedade. Silvana colocou o parlamento gaúcho inteiramente à disposição. “É só vocês mandarem um ofício que vamos realizar. Podem contar conosco, inclusive para encaminhamento de pautas na casa”, disse a presidente da AL. A contribuição desses modelos de desenvolvimento é consistente. No caso do Ibravin, nos últimos 10 anos ocorreu um fortalecimento da cadeia, com o crescimento da venda...